A Cidade do Circo bombou!!!!!!!!!!!

Espetáculo de abertura do Festival Mundial de Circo

Um fim de semana de alegria, palhaçada, desafios e muita emoção. Foram assim os primeiros dias da 11ª edição do Festival Mundial de Circo. A sede da Funarte foi transformada na Cidade do Circo com três picadeiros que funcionaram dia e noite com atrações para crianças e adultos. Quem foi, deixou opinião registrada em nossa página no Facebook. “Fantástico! Todos os espaços, as apresentações emocionam nos fazendo liberar a criança que existe em nós e teimamos em mante-la presa, escondida. Interargir nesse espaço nos faz repensar a vida. A vida nos foi dada para sermos felizes, alegres, trigueiros… Vocês nos ajudam a repensar essas verdades escondidas por falsos valores”, disse Salime Couto.

A atração da noite de abertura veio da França. Nossa lona foi ocupada pela emocionante montagem Le fil sous la Neige, um profundo mergulho na técnica do fio. Durante aproximadamente 1h40 sete artistas exploraram com poesia  os limites do equilíbrio. Rê Bernardes esteve na lona e deixou a opinião registrada no Facebook. “Emocionada com o Le fil sous la Neige!! Maravilhoso!”, disse. Marina Aranha também se impressionou. “Sem dúvidas, Le fil sous la neige foi uma das coisas mais impressionantes que vi. Fiquei emocionada com a insistência do produtor em escrever sua arte. Lindo”, elogiou.

A mostra competitiva de números circenses movimentou o picadeiro 02 da Cidade do circo, sábado e domingo. A espevitada palhaça Rubra foi a mestre de cerimônias. Acompanhada de Marcelinho, ela cantou e encantou a platéia, inclusive distribuindo pedidos de casamento. Foi Rubra quem chamou a atenção de Clarice Penedés: “A Rubra é a melhor coisa de todas”.

Rubra e Marcelinho na apresentação dos números circenses

Apresentados por ela, os irmãos Martin e André Sabatino demonstraram habilidade no picadeiro com a barra fixa o trapézio de balanço. Depois deles foi a vez de Bel Mucci e Natália Presser explorarem a lira dupla. Lion Nathan e Gilson Filho, do Circo Grock se apresentaram no monociclo. Luciana Menin foi às alturas com a corda marinha em balanço. Por fim, Luiz Sartori do Vale, acrescentou pitadas de poesia ao número de malabares.

Luciana Menin na mostra de números circenses

 

Na sequência, a Cia La Mínima apresentou a novíssima criação Rádio Variété. Quem esteve na cidade do circo, literalmente “viu” uma rádio no ar. Ok, ela tem lá suas particularidades!! Cheia de gags tradicionais a montagem caiu nas graças de Farley Santana. “Muito bom o espetáculo”, disse ele em nossa página no Facebook. Já a música da banda Maracutaia, de Concerto em Ré, do Grupo Maria Cutia, agradou em cheio Raíssa Lott. “É muito bacana esse espetáculo!!! Vale apena assistir!”, recomendou.

Uma das atrações mais disputadas do primeiro final de semana foi Tomate a puro tomate, do palhaço argentino Tomate. Foi preciso uma sessão extra para acomodar o público na Sala 1 do Espaço Funarte. Lá dentro, ele fez o que bem entendeu com os balões coloridos. “Nossa que susto de emoçao que eu tomei quando percebi que derepente eu estava vendo aqquele espetaculo que tinha visto no Youtube…do Tomate….MARAVILHOSO!!!! ESPETACULAR!!! e olha que eu peguei uma senha numa fila e nem botava fé… Vou de novo!!!”, disse Fagner Capelo.

Palhaço Tomate

 A reação do público, as mensagens que recebemos no Facebook provam que, mais uma vez, o Festival Mundial de Circo é um evento esperado e comemorado. Agradecemos todas as manifestações de carinho e convidamos a participar mais e mais…. Foi só o primeiro final de semana, gente! A partir de quarta tem mais!!!